domingo, 17 de fevereiro de 2019

OS OUTROS ESTÃO A MAIS? (1) Frei Bento Domingues, O.P.


1. Nietzsche (1844-1900), um dos primeiros filósofos que estudei, é uma figura de contrastes desmedidos. Tem tanto de visionário fascinante como de classificador irritante. Disse o pior do Sermão da Montanha, uma das peças mais belas e revolucionárias do Novo Testamento[1], proposto, hoje, como desafio às comunidades eucarísticas. Classificou-o como um atentado contra a natureza: a vida acaba quando começa o Reino de Deus e a prática da Igreja aí está para o confirmar[2].

Deixemos, para já, o sermão de Nietzsche, sermão da morte de Deus em nome da exaltação da vida e do Super- Homem, aproveitado pelos nazis para a glorificação do crime nacionalista, anti-semita e racista.

 No entanto, as religiões estão em maus lençóis por razões mais óbvias e imediatas. A embriaguez criada pelas revoluções, agrícola, científica, industrial e cultural ainda não serenou. Tornou-se mais aguda. Entrou em delírio. O império da tecnociência em todos os domínios e, agora, as promessas do reino prometido da inteligência artificial, nas suas infindáveis aplicações, estariam a deixar Deus cada vez mais desempregado. Por outro lado, diz-se que a extensão da robótica se encarregará de dispensar aqueles que a criaram. Depois da morte de Deus viria, não a emancipação, mas a morte do ser humano. Já há muito tempo que desconfio de tanta promessa e de tanta ameaça.

Yuval Noah Harari escreveu um livro sedutor[3]. Termina o posfácio de um modo pouco entusiasmante: «Estamos mais poderosos do que alguma vez estivemos, mas não fazemos a mínima ideia do que fazer com todo esse poder. Mas pior ainda é que os humanos parecem mais irresponsáveis do que nunca. Deuses autoproclamados, com apenas as leis da física para nos fazerem companhia, não somos responsabilizados por ninguém. Estamos, assim, a espalhar o caos sobre os nossos companheiros animais e o ecossistema envolvente, em busca de pouco mais do que o nosso próprio conforto e divertimento, sem, no entanto, nos darmos por satisfeitos».

Estar insatisfeito é a maior graça humana. Significa que o ser humano ainda não está acabado. Mas pergunta o citado autor: «Existirá algo mais perigoso do que deuses insatisfeitos e irresponsáveis que não sabem o que querem?»

2. Há várias formulações para esses entusiasmos e medos. Nesse primeiro ponto, fica a ideia de uma rivalidade radical entre Deus e o ser humano. Antigamente, essa rivalidade tinha a formulação de uma espiritualidade conflitual: se damos muito a Deus, tiramos ao ser humano; se damos muito ao ser humano, roubamos a Deus. Esta forma de falar de Deus nada tem a ver com a que S. Paulo descobriu em poetas gentios: na divindade temos a vida, o movimento e o ser[4]. Nessa perspectiva, os dois entendem-se bem: um recebe o outro como pura graça existencial. Não há clima para um antagonismo entre as descobertas e criações humanas e a presença divina vivificante. Estão mutuamente implicados com regozijo recíproco. Ao pensar num, surge a apreciada diferença do outro.

A persistência da ideia de rivalidade tem razões históricas bem documentadas, resultado de uma antropologia e de uma teologia que não podiam conviver. A beleza da própria ética de que fala o Génesis[5]não vale tudo – é diabolicamente interpretada como a ordem de um deus assustado com o alargamento da ciência humana. É o índice de uma persistente e falsa rivalidade entre o divino e o humano. Não são capazes de viver na alegria recíproca.

Com a simbólica narrativa da morte de Abel pela inveja do seu irmão Caim alarga-se o mito da rivalidade. Este mundo, na diferença humana, é de todos e para todos, de todos os povos e culturas, é a vocação de irmãos. Não há duas humanidades, a nossa e a dos outros! A ficção narrada pretende mostrar que uns são de Deus e outros do diabo. O outro, se não nos ajudar, é o nosso inferno que é preciso destruir.

Nessa concepção não há lugar para todos. Ao falar de Abel e Caim como irmãos, o conto fratricida do Génesis não perdeu actualidade. O mundo de hoje é completamente diferente daquela sociedade de pastores e agricultores, mas a tentação de julgar que este mundo não dá para todos é a mesma.

Os avanços científicos e técnicos dos últimos tempos conseguiram resultados espectaculares em todos os âmbitos do progresso aplicável ao ser humano e ao seu ambiente. Apesar dos conflitos locais e globais, de guerras declaradas e latentes, seria ridículo não reconhecer os avanços espectaculares alcançados.

Existe um pequenino senão: as desigualdades entre países e continentes, e dentro de muitos países, acentuaram-se. Não se pensa na arte de construir pontes entre os seres humanos, mas no dinheiro que é preciso para levantar muros físicos ou simbólicos. O destino universal de todos os bens do planeta é uma afirmação de generosidade.

Entretanto, as vítimas das guerras, da pobreza imposta, da miséria e das doenças que provoca, não manifestam grande vontade de filosofar ou de fazer exercícios de espiritualidade zen.

As obras que se escreveram e escrevem a anunciar as datas do fim da pobreza imposta, com certo aparato científico, parecem seguir a lógicas das Testemunhas de Jeová a anunciar o fim do mundo.

Como apontámos, as estatísticas vão mostrando avanços e recuos, segundo os países e os continentes, das medidas para erradicar essa vergonha. As estatísticas não podem contabilizar os pobres que vão tendo a morte, antes de tempo, como solução.

Para além disto, as desigualdades entre ricos e pobres acentuam-se. A distância entre o que certas pessoas ganham e o mínimo que outras conseguem para sobreviver, no seu dia-a-dia, poderia ser um pecado que bradaria aos céus se neles acreditassem.

Consta que existe uma espiritualidade para consumidores neoliberais. Diz-se que os seus exercícios espirituais são engenhosos. Usam receitas de marca individualista/consumista, corporativa/capitalista.

A homilia que o Papa Francisco fez em Abu Dhabi diz que há outras formas de ser feliz. São paradoxais como as do Evangelho, mas nunca tornaram ninguém desgraçado. Assinou com o Grão Imame de Al-Azhar um notável documento sobre a Fraternidade Humana.

Que fazer para o não deixar nos arquivos religiosos?

Fica para a próxima crónica.

17.02.2019



[1] Lc 6, 17-26; Mt 5, 1-12 (ver os contrastes entre as duas versões)
[2] A moral como contra-natureza, in Nietzsche. O Crepúsculo dos Ídolos, Prisa Innova, 2008, 511-518
[3] Sapiens. De Animais a Deuses. História Breve da Humanidade, Elsinore, uma chancela da 20/20 Editora, 2018. Depois deste já saiu o Homo Deus. História Breve do Amanhã.
[4] Actos 17, 27-28
[5] Gn 3

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

NÃO NOS PREOCUPEMOS COM OS ANJOS Frei B D, O.P.


1. Não escolhemos as perguntas que nos fazem. Na semana passada, uma senhora muito idosa perguntou-me aflita: os anjos existem ou não? Toda a vida rezei ao meu anjo da guarda, mas a minha neta disse-me que, agora, já nem os padres acreditam nisso.

Deduzi que não era a sua crença que estava abalada, mas a dificuldade em transmiti-la à nova geração. Não vem ao caso a conversa que tivemos. O imaginário da luta entre os anjos bons a quererem salvar as nossas almas e os demónios a fazerem tudo para nos perderem era a representação religiosa da nossa infância. Lembrei-lhe que, na Eucaristia, o louvor divino é sempre associado à música dos anjos e dos santos!

  Quando a ansiedade serenou, lembrei-lhe duas histórias que me divertiram. Em 1961, à saída de Liège, à espera de uma boleia para Colónia, li, no Assimile de alemão, que um pároco pediu a um pintor que enchesse de anjos as paredes de uma capela recém-construída. Quando foi ver as pinturas ficou irritado: quando é que se viram anjos com tamancos? O pintor observou-lhe: e sem tamancos?

Em 1962, era assistente da Juventude da Igreja de Cristo Rei (Porto) – a primeira associação católica mista de jovens, em Portugal – quando um rapaz interessado por teologia veio dizer-me que tinha descoberto as razões do mundo andar tão desorientado. Os Anjos não se reproduzem e os seres humanos são cada vez mais. Resultado: há muita gente sem anjo da guarda!

Os meus anjos preferidos são as criaturas da pura beleza de Fra Angélico, mas há dias, numa celebração da Eucaristia, deparei com uma passagem da Carta aos Hebreus que desloca todas as preocupações com a angelolatria. Reza assim: «Uma vez que os filhos dos homens têm o mesmo sangue e a mesma carne, também Jesus participou igualmente da mesma natureza para destruir, pela sua morte, aquele que tinha poder sobre a morte, isto é, o diabo, e libertar aqueles que estavam a vida inteira sujeitos à servidão, pelo temor da morte. Porque Ele não veio em auxílio dos anjos, mas dos descendentes de Abraão. Por isso, devia tornar-se semelhante, em tudo, aos seus irmãos, para ser um sumo sacerdote misericordioso e fiel no serviço de Deus e assim expiar os pecados do povo. De facto, porque Ele próprio foi provado pelo sofrimento, pode socorrer aqueles que sofrem de provação»[1].

S. Paulo, na Missa deste Domingo, lembra-nos que, pela ressurreição, Jesus venceu a morte. É esse o Evangelho que ele anuncia, fonte de toda a esperança. Não tem explicação para o facto. Usa analogias para dizer que essa Fé está em consonância com os ritmos da natureza. É anti niilista. Por isso, exclama: morte, onde está tua vitória?[2].

O prefácio da impropriamente dita Missa de defuntos é de uma beleza extraordinária: a vida não acaba, apenas se transforma.

2. O medo da morte é absolutamente natural. Há muitos anos que administro a santa unção e celebro missas ditas de corpo presente e de funeral. Lamento vários aspectos do ritual e sobretudo as celebrações nas capelas mortuárias, mas mais ainda os funerais transformados numa competição comercial.

O que me espanta é a recusa de não se fazer ritual nenhum, sejam de crentes ou descrentes. Se fosse o fim de tudo, não tinha sentido qualquer celebração. Morreu, acabou. Usamos uma linguagem simbólica e rituais para evocar o que não podemos descrever. Ninguém sabe nada do que acontece depois da morte. Esquecemos que sabemos pouco do que é mais importante antes da morte. A vida! O mais significativo escapa à linguagem factual e à das ciências. Como disse Nélida Piñon, «tudo o que preside ao humano provém do mistério. Amor, vida, morte, nada disto se explica. O mistério é puro encanto. (…). O que me define talvez seja a teologia do mistério, sim. O mistério roça em Deus, no pecado, em tudo. Não sabemos o que é, sei que somos filhos dele. Deus está sempre presente na minha vida, mas sem questionamentos. Não batalhamos. Deus foi um senhor maravilhoso, gentil, que não me incomodou, porque desde cedo descobri, como Dostoiévski, o peso da consciência. (…). Estive atenta, enquanto pude, aos mistérios da fé. Sorri e chorei diante das adversidades. Amei e fui amada. Deixei que Deus pousasse no meu regaço. Resta-me agora dizer Amém»[3].

3. Precisamos de anjos e de muitos. Acerca das referências do Novo Testamento (NT) recomendo o exegeta Xavier Léon-Dufour[4]. Não são essas referências, essenciais, que importa convocar para esta crónica. Os anjos são mensageiros de boas notícias, mensageiros de esperança.

Foi para mim um anjo! São muitas as pessoas, todos conhecem algumas, a quem apetece dizer esta bendita oração. Muitas famílias têm doentes em casa, que só elas conhecem. Mas nos hospitais, nos lares de idosos, nas cadeias, debaixo das pontes, sem abrigo, sem amigos, imigrantes, mutilados da guerra existem mundos que precisam de quem lhes acuda. De facto, existe também um mundo dos que visitam, atendem, sorriem, ajudam, socorrem pela única razão que essas pessoas precisam. Não fazem propaganda, não aparecem nos meios de comunicação nem nas redes sociais. Não são condecorados. São os anjos da música silenciosa da pura gratuidade.

Essas pessoas, com ou sem referências aos textos NT, seguem a ordem de Jesus: não saiba a tua mão esquerda o que faz a direita[5]. A nossa vocação humana e divina é a de sermos anjos uns dos outros, mas sem esquecer o aviso do Mestre.

A publicidade, mesmo a do bem, pode não ser um apelo à generosidade de todos, mas apenas um grande negócio da vaidade e do lucro. Uma coisa é o método de envolver cada vez mais pessoas na prática gratuita da generosidade criativa, outra é a táctica hipócrita da autopromoção em nome da virtude.

Não é por acaso que a Bíblia fala de anjos bons e anjos maus.

10.02.19.



[1] Hb 2, 14-18
[2] Cor 1Cor 15,1-11
[3] Nélida Piñon, A vida e a literatura, in JL, págs. 14-18
[4] Cf. Dictionnaire du Nouveau Testament, Seuil, 1975, entrada Anje
[5] Mt.6, 3-4

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

P. Jeremias e P. Alcides visitam comunidades no Quénia

Desde o dia 15 de janeiro que a província do Quénia recebe a visita oficial do P. Jeremias dos Santos Martins, vigário geral dos Combonianos. No dia 1 de fevereiro, o P. Alcides da Costa, assistente geral, juntou-se ao P. Jeremias, para ambos prosseguirem a visita, agora já na área de Nairobi, capital do país.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

1."O acesso à experiência da fé, hoje!”. V FORUM - uaasp

O Acesso à Experiência da Fé, hoje!
Dificuldades e oportunidades que a cultura actual oferece na comunicação da Fé
José Milhazes

Caros amigos, penso que o desafio que me foi feito para falar de tão altas matérias deveria ser dirigido a outras pessoas melhor preparadas do que eu. Por isso, perdoem-me se ficar aquém das expectativas criadas. Gostaria de iniciar a minha intervenção não pelas dificuldades, mas pelas oportunidades que a cultura actual oferece na comunicação da Fé. Será uma banalidade afirmar que as novas tecnologias de informação e a globalização criaram possibilidades nunca vistas. Basta ter um computador em casa ou na escola ligado à Internet para aceder a um mundo a que eu chegava com enorme dificuldade e atraso quando comecei a minha carreira de jornalista em 1989, para já não falar quando estudava no Seminário dos Combonianos. Daí eu me debruçar inicialmente sobre as oportunidades que a Cultura, através de meios tecnológicos e humanos, oferece na comunicação da Fé. Além do mais, as manifestações e variedades de Cultura multiplicam-se com uma rapidez nunca vista, fruto também da veloz evolução tecnológica e humana. O principal problema continua a ser tão antigo como a Cultura: a sua definição e formas de manifestação. Iúri Lotman, um dos pais da Semiótica, definia assim a Cultura: “Conjunto de informação geneticamente não herdada no campo do comportamento humano”, ou seja, aquilo que tem como raiz a espiritualidade do homem, a forma como ele olha para o mundo cujas folhas e frutos são a Cultura. Para mim, pessoalmente, e penso que para muitos de vós, nem tudo o que é apresentado como Cultura o é, por muito popular que possa ser. É minha opinião que a Cultura deve ter por objectivo o aperfeiçoamento da Humanidade e, por isso, é uma via importante para se chegar à Fé. Aliás, quanto mais culta for a base da Fé, mais sólida é esta. Mas outro problema com que nos defrontamos é que, no momento actual, vive-se uma profunda crise tanto na Cultura como na Fé. E isto tem várias explicações. A qualidade da Cultura é cada vez mais relativa e a Fé, pelo menos no mundo ocidental, parece ser cada vez mais um fenómeno exótico, raro. E isto, frequentemente, deve-se ao facto de tentarem fazer da Cultura um instrumento de combate à Fé, considerando esta uma espécie de obscurantismo. Parece impossível, mas é verdade, que em Portugal não exista um “Museu dos Descobrimentos”. Porquê? Porque minorias agressivas, mas fortemente posicionadas, por exemplo, no nosso Ensino Superior, acham que afinal esse passo civilizacional dado pelos portugueses não o merece. Retire-se já o monumento ao Padre António Vieira em Lisboa, devido ao seu “esclavagismo selectivo”, mas já não protestam contra culpados pela morte de dezenas de milhões de pessoas, como Lenine, Trotski, Estaline, Mao ou Fidel Castro. Pelo contrário, baseando-se na sua fé inabalável, pedem ao povo que os deixem fazer, mais uma vez, experiências desse tipo, prometendo utilizar outros métodos e evitar “danos colaterais”.

Vivemos numa época em que velhas utopias malditas pareciam ter passado ao lixo da História – o fascismo e o comunismo –, mas estão de volta e, aqui, mais importante ainda é fazer da Cultura, do Conhecimento uma via para a Fé. A Igreja tem de competir no mundo da informação. Mas quando é que a Igreja Católica Portuguesa terá um canal televisivo próprio, onde faça chegar a sua palavra aos portugueses sobre os mais diferentes aspectos da vida nacional e internacional? Quando poderemos ler um jornal electrónico de tendência claramente católica? Deram conta do chinfrim que os defensores de todas as causas fizeram quando a jornalista Diana Aguiar, grande profissional, pronunciou a frase: “Até amanhã, se Deus quiser!”? Talvez a reacção fosse bem mais pacífica se ele pronunciasse: “até amanhã, camaradas!” Talvez eu esteja a dizer isto por estar mal informado devido ao facto de ter andado por fora tantos anos, mas parece-me que a Igreja Católica demora a reagir aos desafios dos tempos, perdendo terreno para aqueles que prometem tudo e rapidamente. Por exemplo, quantos anos nós tivemos de esperar para que a Igreja Católica começasse a limpar as suas fileiras de padres pedófilos? A iniciativa devia ter sido tomada pelo Vaticano, mas isso não foi feito, facto que é aproveitado pelos adversários para desacreditarem a Igreja Romana. Recentemente, li, com surpresa, que o padre e poeta português Tolentino Mendonça foi nomeado pelo Santo Padre, e passo a citar a imprensa, “responsável pelo Arquivo Secreto do Vaticano”. Numa Igreja que se quer e deve ser transparente, que “documentos secretos” existirão nesse arquivo? Depois não se venham queixar dos milhões de livros que se vendem à custa das teorias da conspiração em torno do secretismo do Vaticano. Como historiador, jornalista e católico, não compreendo.
A Cultura oferece oportunidades únicas na comunicação da Fé, mas para isso é indispensável reagir, agir para a solução dos problemas e não esperarmos que alguém o faça por nós.
Fátima 24 Novembro 2018

sábado, 2 de fevereiro de 2019

Vocação divina à santidade-Pe. Rui Silva- DM

Não é raro que, entre os filhos
da Igreja, o problema
da santidade seja olhado
como uma espécie de
mundo longínquo, ao qual
apenas têm acesso as pessoas
que são dotadas por Deus com um
carisma especial. E este carisma parece
apenas ser possível para quem o Senhor
chama a uma vida diferente da habitual.
Ou seja, a santidade é uma chamada reservada
por Deus a uma elite muito escassa,
que tem de responder a um tipo
de vida “sui generis”, que não se enquadra,
de forma alguma, com a existência
normal dum homem ou de uma mulher
que vivem o seu dia a dia no trabalho e
na educação de uma família normal e
corrente que constituíram.
O estado matrimonial é o mais comum
entre as criaturas da nossa natureza.
Deus, desde o primeiro casal – Adão
e Eva, de acordo com o relato bíblico –,
atribuiu-lhe o encargo de crescer e multiplicar-
se para encher e dominar a terra
(Cfr. Gén.1, 28), pelo que o casamento não
é uma situação de inferioridade, mas somente
a via mais habitual que Deus escolheu
para o ser humano, a fim de se realizar
e fazer a sua vontade com a energia
exigida pelo primeiro Mandamento da
Lei de Deus, que nos manda adorá-Lo e
amá-Lo sobre todas as coisas.
Seria estranho que o Senhor tivesse instituído
um sacramento – o do matrimónio
–, que confere a quem o recebe uma graça
especial para dele retirar todo o fruto
que essa mesma graça sacramental pode
conferir, e que esta não fosse a de conduzir
os contraentes à santidade. Nesse caso,
quem se casasse já sabia, de antemão,
que Deus não o chamava a ser santo, mas
a uma vida alheia a essa finalidade, pois só
quem seguisse outros caminhos ascéticos
na obediência à vontade divina é que poderia
aspirar a graus ou teores de existência
mais elevados.
Mais ainda: com o sacramento do Baptismo,
pelo qual nos é concedida a condição
de filhos de Deus (por adopção e não
por natureza, como é evidente), seria muito
estranho que, à partida, o Senhor excluísse
da santidade a esmagadora maioria
dos seus filhos. Dir-se-ia que olhava
com mais simpatia para uns do que para
outros, independentemente da forma e
do grau como O amassem. Ou então, que
só poderiam amá-Lo como verdadeiros
santos, quem seguisse um percurso menos
costumeiro.
Pois bem: Deus chama todos os homens
à santidade. Para ser santo, a todos
exige, com uma paciência e uma compreensão
verdadeiramente paternal e familiar
para com as suas debilidades, que
O procuremos amar como ordena o primeiro
mandamento, independentemente
das circunstâncias e das características
da existência de cada um, desde que, obviamente,
sejam honradas e rectas. Como
alguém observava, Deus não abençoa ou
aprova, apesar da perfeição com que é executada,
a arte de um carteirista exímio...
Na vida da esmagadora maioria dos
cristãos, as suas tarefas e ocupações interligam
o trabalho profissional e o cuidado
do lar da sua família. É essa a panorâmica
das suas obrigações prementes, às quais
não só não deve fugir, como dar-lhes o
seu melhor esforço. É Deus que lho pede:
que nelas seja o mais exemplar possível.
Trabalhar com competência e honestidade
e, se constituiu uma família, procurar
viver no seu seio as exigências próprias
da caridade, com denodo e entrega
generosa, são as notas essenciais do chamamento
divino, que devem espelhar-se
em todos os momentos da sua conduta.
É aí que se realiza a sua vocação, é aí que
Deus o chama com o seu Amor e carinho.
Como sabemos, nem sempre se torna fácil
corresponder a tanto desvelo do nosso
criador. Sonhar com outros horizontes e
pensar numa vocação diferente, onde tudo
se realizasse da melhor maneira, sem luta
e numa espécie de planeta cor-de-rosa,
eis o que Santa Teresa de Ávila designaria
como um fruto da “louca da casa”, isto é,
da nossa imaginação febril, sem freio, de
que o diabo é um hábil condutor e uma
pertinaz fonte de inspiração.
Tudo o que se disse não ignora que o
Senhor, na sua infinita sabedoria e misericórdia,
chama também seus filhos e filhas
para outros tipos de existência, como
a vida religiosa ou sacerdotal. Mas não reduzamos
a estes apelos divinos, diferentes
e menos numerosos, o termo “vocação”.
P. Rui Rosas da Silva antónio maria martins melo
antmelo@braga.ucp.

À Laia de Testemunho, por Helena Babo- UAASP em Angola


Para mim não chegaram a 10 dias, mas foram de uma intensidade esmagadora.
Um pais onde nasci, mas que nunca conheci e que tive agora a oportunidade de percorrer no que tem de mais perdido e esquecido.

Um pais, uma região onde o Governo aparentemente se demitiu de todas as suas funções e onde homens e mulheres com pouco mais do que a sua vontade tentam de alguma forma substitui-lo, suprimindo algumas necessidades fundamentais de um povo.

Uma missão onde fomos convidados a experimentar as condições em que trabalham os Missionários, partilhando alojamento e alimentação em iguais condições, bem como os pequenos trabalhos em que participámos, ajudando na preparação da população que acorreu para participar em pequenas formações, nas consultas, nos trabalhos diários, nas costuras, nas pequenas reparações e novas construções, etc.

Ainda o contacto com as populações de hábitos tão diferentes, muitos consequência de anos de guerra e esquecimento, mas, quem sabe, talvez felizes nas suas formas de vida.

Com a certeza que muito ficou por fazer e que mais teríamos para dar perante tamanha carência de meios, de estudos, de expectativas.

Este é o meu testemunho:

O acesso à água potável: A água, de qualidade duvidosa tem que ser fervida ou tratada e é maioritariamente transportada pelas mulheres em alguidares à cabeça.

O acesso aos cuidados de saúde: as consultas são realizadas pelas missionárias cuja formação é feita de muita experiência e boa vontade e a maioria dos medicamentos são os básicos paracetamol e ibuprofeno.

A habitação: pequenas casas de pau a pique e de um só compartimento, revestido de adobe e telhados de colme ou chapa de zinco, contemplam espaço para algumas enxergas, normalmente incorporadas na estrutura da casa. As cozinhas feitas no exterior recorrendo à mesma técnica, muitas sem parede de adobe.

A recolha do lixo: inexistente. O lixo acumula-se a céu aberto trazendo às povoações maiores um cheiro nauseabundo.

O acesso à alimentação: alimentam-se essencialmente de Funje. Na beira da estrada encontram-se inúmeras bancas de venda de fruta e legumes, peixe seco e carvão. A fruta é deliciosa. Na cidade há um mercado grande onde se podem encontrar também as famosas capulanas, roupa de mulher.

O acesso à educação: as escolas são edifícios iguais às habitações com troncos no chão que servem de bancos corridos. Os professores são escassos e com pouca formação, mas mesmo assim muitas crianças, que são às centenas, não têm escola por falta de professores.

Os acessos às povoações e lugares mais recônditos: o acesso às zonas mais recônditas é feito por picadas difíceis com dispêndio de muitas horas nas viagens. Nós levámos mais de oito horas a percorrer cerca de 130 km. As paisagens enchem o olho e compensam muita coisa.

Ficou-nos o profundo respeito e admiração pelos missionários que, por mão da sua incansável vontade, vencem os caminhos quase inexistentes para dar alguma esperança e conforto a este povo.

Que procuram soluções para promover condições básicas, mas que representam o desenvolvimento e, acima de tudo, apontam o caminho.

Coisas simples, como uma cisterna de água, uma pequena moagem de milho para uso da população, uma pequena fábrica a construir os primeiros tijolos de terra comprimida.

E os planos futuros de captação e canalização de água para um ponto elevado que possa depois distribuir a mesma em várias direções, os projetos de regadio, os projetos de construção de edifícios com os novos tijolos, como uma igreja, uma escola, casas, etc.

E tem que ser a estes homens e mulheres que dedico este testemunho.

Ao Padre David, “cabecilha” atual e repetente desta obra, tem em mim uma irmã e pode contar sempre comigo, assim eu o consiga ajudar pois a minha divida é grande, foi o ombro amigo num dia difícil

À mana Teresa, pela paciência com que nos recebeu e a tudo tentou atender e resolver, ao trabalho titânico que tem prestado a este povo, o meu total reconhecimento e amizade.

À jovem Sílvia, companheira destes dias tão intensos, pelo espírito de interajuda e abertura para tudo aprender e absorver como uma pequena esponja que vai inchando, os votos de um futuro gordo em experiências e que te preencha e faça feliz e a minha amizade.

O meu profundo reconhecimento também para o Avô Filipe, homem que tanto sofreu, como tantos outros provavelmente, nesta longa vida e que sobreviveu para nos receber com o seu sorriso e a sua cozinha.

Ao Carlos, pai de família, pela sua vontade de ajudar e fazer o máximo possível antes do seu regresso.

Por fim às meninas da missão, votos de que consigam estudar e alcançar os seus sonhos e contribuir para o desenvolvimento do seu país, que é também um pouco meu. Delas e doutros como elas está dependente o caminho deste país.

Helena Cristina Babo

domingo, 27 de janeiro de 2019

Pedreiras de Borba - Laureano


Corações pétreos, mais duros que as pedreiras,

Valores pátrios estão lá bem distantes

Em desfavor dos cidadãos que, confiantes,

Lhes facultaram os assentos nas cadeiras.



O mal redobra quando são cabeças ocas

Cheias de nada como os poços dos dois lados,

O coração nas mãos, nos pés, com mil cuidados,

E com razão, que a condução tem horas loucas.



Foi retirada tanta pedra até ao fundo

Em tal acção de desvario, que descamba

Para a loucura; segue estrada em corda bamba,

Olhar de cima vê crateras de outro mundo.



Mas não há olhos para ver o tão visível?

Não há vontades de evitar antes que tombe?

Cuidados mil não impediram hecatombe,

Carros tombaram no abismo. Foi horrível!



Uma tragédia que ao lugar levou um fado,

Fado corrido que lhe fez parar o cante.

Lugar de Borba, continues doravante

Mais pelo vinho que por pedras afamado.



Entre acontecimentos inimagináveis,

Não fosse caso grave e sério, dava riso

Pensar que a culpa foi do vinho, que o aviso

Não chegou muito claramente aos responsáveis.